Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Governo prorroga renda básica por mais 2 meses

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

O governo federal confirmou nesta tarde de terça, 30, a prorrogação por decreto da renda básica emergencial de R$ 600 à população desassistida por mais dois meses. A negociação pela extensão do benefício inicialmente previsto para três meses incluía a proposta de prorrogá-lo por mais três meses, só que com o mesmo valor total dos R$ 1.200 referentes às duas parcelas anunciadas hoje, mas a ideia não vingou. Em agosto, porém, esse valor de R$ 600 será pago em duas parcelas, uma no começo e outra no fim do mês. “O auxílio emergencial não é dinheiro meu, mas de todos brasileiros que pagam impostos”, afirmou o presidente Jair Bolsonaro em cerimônia nesta tarde.

Presente no encontro, o ministro Paulo Guedes (Economia) demonstrou otimismo com o futuro da economia brasileira. Segundo suas previsões, em dois ou três meses já será possível ver a reação positiva dela. “Ano que vem, estamos de volta ao caminho da austeridade, no sentido de responsabilidade das contas públicas”, disse ele. O fundo do poço já teria sido atingido nesta pandemia, afirma, em abril. Guedes não citou diretamente a taxa de desemprego divulgada hoje pelo IBGE, de 12,9% no trimestre entre março e maio deste ano, atingindo 12,7 milhões de pessoas. “A massa salarial subiu, apesar da queda no salário e emprego. O Brasil está respirando, só está hibernando”, repetiu o ministro após exibir a “chuva de recursos” despejada pelo governo federal, de forma direta e indireta, na economia nesta pandemia.