Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Guedes diz que aumenta socorro a Estados se salário de servidor for congelado

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou na segunda-feira, 20, que o governo negocia com senadores aumentar o auxílio financeiro a Estados e municípios se os entes congelarem o salário dos servidores públicos estaduais e municipais por dois anos. “Se houver contrapartida de Estados, não faz mal subir a ajuda. Todos sabem que não pode virar uma farra eleitoral”, disse em live organizada pelo BTG Pactual. 

O ministro da Economia, Paulo Guedes, durante a live da BTG Pactual

O ministro da Economia, Paulo Guedes, durante a live da BTG Pactual Foto: Reprodução/BTG Pactual

O ministro afirmou que a maioria dos parlamentares da Casa concorda com a condição. Guedes defende que seria “irresponsabilidade” assinar o plano aprovado na Câmara, que ficou sem contrapartida aos Estados e municípios. A vinculação do socorro à obrigação de prefeitos e governadores de congelar salários de servidores já era pleiteada pelo governo federal quando o projeto tramitava na Câmara. O governo, entretanto, apesar de defender o congelamento de salários de servidores, não mandou ao Congresso proposta similar para servidores federais.

Guedes inferiu durante a conversa que, da forma como está o texto, sem limite estabelecido para a compensação da União às perdas de arrecadação dos entes, poderia “levar o Brasil à moratória e quebrar a União.” Segundo o cálculo do governo, o impacto orçamentário seria de R$ 93 bilhões se a queda na arrecadação do ICMS e ISS for de 30% em comparação a 2019.