Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Guedes e deputado em bate-boca no Congresso

Equipe BR Político

O presidente da Comissão Mista de Orçamento (CMO) do Congresso Nacional, senador Marcelo Castro (MDB-PI), interrompeu a sessão desta tarde de quarta, 25, após discussão entre o convidado, o ministro Paulo Guedes, e o deputado federal Glauber Braga (PSOL-RJ). A pergunta do parlamentar que mais irritou o titular da Economia, de um conjunto de quatro, foi sobre supostos “ganhos bilionários” de Guedes no setor da educação. O ministro repetiu que montou do zero uma empresa que hoje atende 1,1 milhão de estudantes do ensino básico. Acrescentou que ele foi o criador, 20 anos atrás, de MBAs no País e do IBMEC, hoje Insper. “Seu eu soubesse que ia incomodar tanto, eu não tinha ajudado tanto a educação por 20 e poucos anos”, ironizou.

Diante da insistência do parlamentar em saber da relação de Guedes com fundos de pensão – o ministro é investigado por suspeita de crimes de gestão fraudulenta e temerária à frente de fundos de investimentos (FIPs) que receberam R$ 1 bilhão, entre 2009 e 2013 -, o ministro, já nervoso, afirmou que só responderia à questão em instância privada. “Quero ser respeitado. Se o senhor quer fazer política, quer ganhar voto, não é aqui.”

Num esforço de responder às demais perguntas de Braga, Guedes, mais nervoso ainda, disse que parabeniza o ex-presidente Lula pelos superávits obtidos nas duas gestões do petista. “Eu parabenizo o Lula por manter o superávit que ele herdou. Eu faço questão de elogiar. Um presidente entrou e manteve o superávit por um tempinho e (esse superávit) foi embora. Eu quero parabenizar a geração do superavit primário (…) E hoje estamos muito mal por causa do final da história (déficits). Nós herdamos o caos”, acrescentou.

O caldo entornou quando Braga o interrompeu, levando o presidente do colegiado a encerrar a sessão.

 

Tudo o que sabemos sobre:

Glauber BragaPaulo Guedes