Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Guedes na mira de ‘fogo amigo’ na rede

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

O ministro Paulo Guedes é alvo nas redes de críticas e insultos de senadores após ele afirmar que o Senado havia cometido um “crime contra o País” ao derrubar o veto presidencial ao reajuste salarial do funcionalismo até 2021. A bolsonarista Soraya Thronicke (PSL-MS), por exemplo, que votou a favor do aumento, afirmou que “a sorte do Min. Paulo Guedes é que os Senadores são bem mais polidos do que ele. Mesmo assim esse Sr não vai escapar da reprimenda, pois irresponsabilidade tem limites, e ele não está cuidando da economia da casa dele. Estamos tratando de um país!”, ameaçou.

O ministro da Economia, Paulo Guedes

O ministro da Economia, Paulo Guedes. Foto: Dida Sampaio/Estadão

Como você leu mais cedo aqui no BRP, os senadores vão convocar Guedes para explicar quais crimes foram cometidas. Obviamente, a audiência vai se transformar num ato contra o ataque do ministro. O requerimento deverá ser votado na próxima terça-feira, 25.

Da base governista e líder do Republicanos na Casa, o senador Mecias de Jesus (RR), que votou contra o reajuste, classificou a reação do ministro como “grave gesto contra a democracia, contra o Senado e contra a vontade individual dos parlamentares”, diz o Broadcast Político. Jesus é um dos principais suspeitos de fraudar a polêmica votação para a presidência da Casa, em fevereiro de 2019.

O mais barulhento, Major Olímpio (PSL-SP), líder do partido na Casa, ainda fez acusações contra o governo sobre compra de votos. “Guedes MENTE sobre rombo de R$ bi 120 no orçamento. NÃO SE TRATA DE REAJUSTE e sim CONTAGEM DE TEMPO DE SERVIÇO de quem está na linha de frente do combate à pandemia. Economia? VOCÊ SABIA QUE O GOVERNO LIBEROU R$ 4 bi em emendas pra “convencer” os deputados da votação de ontem?”, escreveu ele no Twitter.

Outro líder no Senado, o do Podemos, Álvaro Dias (PR), também chamou Guedes de “mentiroso”, assim como o fizera Cid Gomes (PDT-CE).