Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Guedes negociou ministério com Moro antes do 2º turno, diz Bebianno

Equipe BR Político

Segundo o ex-ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno, o ministro da Economia, Paulo Guedes, teve de cinco a seis encontros com o ex-juiz Sérgio Moro antes do segundo turno da eleição de 2018 para negociar a participação do magistrado no governo. De acordo com Bebianno, até este momento, era o seu nome que estava sendo cogitado ao cargo de ministro da Justiça. Segundo ele, a articulação foi feita toda por Guedes, pois o presidente Jair Bolsonaro não tinha contato com Moro à época.

“O tempo passou e aí veio o dia do segundo turno, domingo, na casa do Jair. A gente chegou lá à tarde, umas 17h, 17h30, o Paulo Guedes estava na sala, me puxa, me chama e diz: ‘Bebianno, quero conversar com você um negócio importante’. Foi a primeira vez que o Paulo Guedes mencionou que estava conversando com o Sérgio Moro. Ele me contou que já tinha tido cinco ou seis conversas com o Sérgio Moro e que o Sérgio Moro estaria disposto a abandonar a magistratura e aceitar esse desafio como ministro da Justiça”, disse Bebianno entrevista ao jornalista Fábio Pannunzio.

Bebianno afirma que chegou a duvidar que Moro abriria mão da carreira na magistratura, mas que se isso de fato ocorresse, entenderia que o ex-juiz o substituísse no cargo prometido.

“Eu disse duas coisas ao Paulo. ‘Primeiro: eu só acredito vendo. Porque, no lugar dele, eu não abriria mão da minha carreira, da minha estabilidade enquanto magistrado, para migrar para uma missão tão turbulenta, numa vitrine tão grande, sem garantias de nada. Mas quero dizer o seguinte, Paulo: parabéns, porque entre mim e o Sérgio Moro, é óbvio que o Sérgio Moro tem um nome, uma notoriedade, tem uma história muito mais relevante que a minha no sentido público, nessa questão toda da Lava-Jato. Acho que ele vai conferir um selo de credibilidade logo na saída, e vai ser muito bom’. Nós apertamos as mãos e combinamos o seguinte: se o Moro realmente vier, não tem problema nenhum. Isso no domingo à tarde, antes do resultado”, disse.