Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Guedes sobre ‘barulheira’: ‘Confio na intuição política do presidente’

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

O ministro Paulo Guedes rebateu a tese de que foi direcionada a ele a ameaça nesta terça, 15, do presidente Jair Bolsonaro de dar “cartão vermelho” para quem defender o congelamento das aposentadorias para financiar o Renda Brasil. A defesa foi feita ontem ao G1 pelo secretário Especial da Fazenda, Waldery Rodrigues, da equipe de Guedes. Hoje, o chefe do Planalto publicou um vídeo enterrando o programa que poderia substituir o Bolsa Família com a ameaça. Horas depois, Guedes disse em live que estava com Bolsonaro no momento da gravação do vídeo.

O ministro da Economia, Paulo Guedes Foto: Marcos Corrêa/PR

“Prestem atenção aos sinais. Toda informação tem sinal e barulho. Mas não presta atenção no barulho, presta atenção no sinal. O sinal é que as reformas estão progredindo, a economia está voltando. O presidente diz que não conhece a economia e confia no ministro da Economia. O presidente diz que eu não entendo nada de política, parece que eu não entendo mesmo. Mas eu confio na intuição política do presidente. Prestem atenção aos sinais e não na barulheira. A democracia é barulhenta mesmo, mas preferimos o barulho da democracia do que o silêncio do sistema político fechado”, afirmou.

Durante a palestra online, o ministro afirmou que as manchetes de veículos de imprensa de hoje distorceram a informação. Segundo o ministro, a proposta em estudo no ministério é a desindexação de todas as despesas, no âmbito da PEC do pacto federativo, para devolver o controle do orçamento aos governantes.

Como escreveu Vera Magalhães, editora do BRP, sobre o caso mais cedo, se a ameaça não foi para Guedes, foi para seu time já desfalcado. Não foi a imprensa que inventou a intriga, como diz o ministro, buscando um culpado pelo chilique do chefe.