Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Guedes sobre parasitas: ‘Me expressei muito mal, e peço desculpas’

Vera Magalhães

O ministro Paulo Guedes (Economia) enviou por WhastApp a jornalistas, amigos e familiares um conjunto de mensagens em que se desculpa pela frase comparando servidores públicos a parasitas e diz que ela foi tirada de contexto. Nas mensagens, que ele encaminhou também a mim, afirma que não quis ofender ninguém.

Foto: José Cruz/Agência Brasil

“Tiram do contexto. Falei de Estados e municípios em caso extremos. Quando toda a receita vai para salários e nada para saúde educação, e segurança”, justificou.

Na última sexta, em palestra na FGV-Rio, ao defender a necessidade de uma reforma administrativa, o ministro disse: “O governo está quebrado. Gasta 90% da receita toda com salário e é obrigado a dar aumento de salário. O funcionalismo teve aumento de 50% acima da inflação, tem estabilidade de emprego, tem aposentadoria generosa, tem tudo, o hospedeiro está morrendo, o cara virou um parasita, o dinheiro não chega no povo e ele quer aumento automático, não dá mais. A população não quer isso, 88% da população brasileira são a favor inclusive de demissão de funcionalismo público, de reforma, de tudo para valer”, disse o ministro.

“Se o Estado existe para si próprio então é como um parasita (o Estado perdulário) maior que o hospedeiro (a sociedade). Eu não falava de pessoas, falava dos casos extremos em que municípios e Estados gastam todas as receitas com salários elevados de modo que nada sobrava para educação, segurança, saúde e saneamento”, prosseguiu o ministro.

Ele justifica que, numa situação de caos fiscal e orçamentário, “não se pode dar aumento automático de salários”. “O Estado, o governo municipal, o governo estadual NESTE CASO vira um parasita maior que o hospedeiro, ou seja, a comunidade a quem deve servir”, insiste o ministro.

Guedes faz um mea culpa: “Eu me expressei muito mal, e peço desculpas não só a meus queridos familiares e amigos, mas a todos os exemplares funcionários públicos a quem descuidadamente eu possa ter ofendido. EU NÃO FALAVA DE PESSOAS E SIM DO RISCO DE TERMOS UM ESTADO PARASITÁRIO,  APARELHADO POLITICAMENTE FINANCEIRAMENTE INVIÁVEL”, escreveu ele, assim, em maiúsculas.

“O ERRO É SISTÊMICO e não é culpa das pessoas que cumprem os seus deveres profissionais como é o caso da enorme maioria dos servidores públicos”, conclui o titular da Economia.

Tudo o que sabemos sobre:

Paulo Guedesparasitasdesculpa