Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Humans Rights Watch diz que Congresso ‘impediu’ ações de Bolsonaro contra direitos humanos

Gustavo Zucchi

O relatório anual da Humans Rights Watch (HRW), organização não-governamental internacional voltada para direitos humanos, foi especialmente crítico ao primeiro ano de mandato de Jair Bolsonaro no Brasil. Nas páginas dedicadas para analisar 2019, a ONGs diz que o atual ocupante do Palácio do Planalto “assumiu uma agenda contra os direitos humanos, adotando medidas que colocariam em maior risco populações já vulneráveis​”. Para a organização, ele teria sido impedido pelo Congresso e pelo Judiciário que “impediram algumas dessas políticas”.

Nas nove páginas dedicas a tratar sobre o Brasil, a HRW questiona a direção tomada pelo governo em diversos temas. Dentre eles está a Segurança Pública, no qual afirma que ” abusos policiais dificultam o combate à criminalidade” e destaca o aumento das mortes cometidas por agentes de segurança. “O presidente Bolsonaro tem incentivado a polícia a executar suspeitos. Os criminosos deveriam ‘morrer na rua igual baratas’, disse ele em agosto”, afirma o relatório.

Outro tema de destaque no relatório sobre o Brasil é a “Liberdade de expressão e de associação”. Novamente, a ONG afirma que Bolsonaro trabalhou contra a manutenção dos diretos. “O presidente Bolsonaro atacou repetidamente organizações da sociedade civil e a mídia independente”, afirma.

“O presidente Bolsonaro fez ataques verbais a meios de comunicação e repórteres cuja cobertura não o agradou. Depois do destaque recebido pelo presidente, esses repórteres frequentemente sofreram assédio virtual”, diz a HRW no relatório . “O governo Bolsonaro tem sido abertamente hostil às organizações não-governamentais (ONGs), particularmente aquelas que defendem o meio ambiente e os direitos dos povos indígenas”, completa o relatório.

Confira o relatório na íntegra (em inglês) ou acesse a parte dedicada ao Brasil (em português): 

Tudo o que sabemos sobre:

Humans Right WatchJair Bolsonaro