Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

IBGE: Desemprego tem leve queda, mas informalidade é maior desde 2016

Equipe BR Político

Apesar da leve queda na taxa média de desemprego no Brasil, que foi de 12,3% para 11,9% em 2019, a informalidade cresceu no País e atingiu 41,1% da população ocupada, o maior nível desde 2016, de acordo com dados da Pnad contínua divulgada na sexta-feira, 14, pelo IBGE. Em 11 Estados, a proporção de trabalhadores informais ultrapassou 50%. No Estado com a maior informalidade, o Pará, chegou a 62,4%.

Fila em mutirão de emprego no Anhangabaú, no centro de São Paulo, em 2019

Fila em mutirão de emprego no Anhangabaú, no centro de São Paulo, em 2019 Foto: Felipe Rau/Estadão

A conta dos trabalhadores informais considera trabalhadores sem carteira, domésticos sem carteira, empregador sem CNPJ, conta própria sem CNPJ e trabalhador familiar auxiliar, de acordo com o IBGE.

Em 16 Estados, a taxa média de desocupação em 2019 diminuiu. As menores foram registradas em Santa Catarina (6,1%), Rondônia, Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul e Mato Grosso, todos com 8% na média anual. E as maiores no Amapá (17,4%) e na Bahia (17,2%). 

No quarto trimestre do ano passado, a taxa de desocupação foi consideravelmente maior entre mulheres: 13,1% delas estavam desocupadas, comparado a 9,2% dos homens. O fenômeno ocorreu em todas as grandes regiões. Entre pretos e pardos a taxa também foi maior no trimestre. Entre os que se declararam pretos, 13,5% estavam desocupados e entre pardos, 12,6%, enquanto entre os que se declararam brancos, foram 8,7%.