Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Marcelo de Moraes

Justiça suspende diplomação de 4 vereadores em Mauá por suspeita de candidatas laranjas

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

A Justiça Eleitoral de São Paulo determinou na quinta-feira, 17, a suspensão da diplomação de quatro vereadores eleitos em 15 de novembro em Mauá, na Grande São Paulo, sob suspeita de fraude no cumprimento da quota feminina de candidatas, com o suposto uso de “laranjas”.

Três vereadores foram eleitos pelo PSB (Vaguinho do Zaira, Samuel Enfermeiro e Ricardinho da Enfermagem) um eleito pelo PSD (Márcio Araújo). Sem receberem os diplomas, eles não podem tomar posse no cargo. Cabe recurso.

“Ora, é impensável que algum candidato que percorre as fases do certame, sem pedir renúncia ou cancelamento da candidatura (quando isso lhe é permitido), chegue para o dia da votação sem ter o próprio voto ou mesmo de pessoas próximas como familiares. Isso é absolutamente incomum, mormente quando, ao que parece, a candidata votou nos dois turnos de eleição”, diz um trecho da decisão do juiz da 217ª Zona Eleitoral de Mauá, Marcos Alexandre Santos.

A legislação determina que os partidos políticos devem atingir uma proporção de gêneros obrigatória, reservando no mínimo 30% das vagas a candidatos que não sejam homens.

“Todos nós devemos nos indignar com a utilização das mulheres apenas para cumprir tabela. A ação visa corrigir essa injustiça. Inaceitável nos dias de hoje nos depararmos com candidaturas femininas laranjas. Portanto, acertou o juiz eleitoral ao acatar nosso pedido para suspender a diplomação dos vereadores eleitos por partidos que se valeram dessa prática”, disse o advogado Renato Ribeiro de Almeida, um dos autores da ação.