Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Delação de Léo Pinheiro complica líder do governo

Equipe BR Político

O ex-presidente da OAS Léo Pinheiro afirmou em delação premiada que o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), recebeu propina em troca de liberação de recursos do Ministério da Integração Nacional e por obras do governo de Pernambuco, segundo O Globo. De acordo com a reportagem, na delação, que foi recentemente homologada pelo STF, Léo Pinheiro afirmou que o valor repassado a Bezerra correspondia a 2% do valor das obras.

Como você tem acompanhado no BRP, o líder do governo Bolsonaro foi alvo de operação da PF no último dia 19. A ação investiga suspeita de desvios de recursos públicos. A operação gerou crítica por parte dos parlamentares e fez com que o corporativismo no Senado se mostrasse mais forte do que nunca, adiando a votação da reforma da Previdência na CCJ do Senado para esta semana.

O pagamento a Bezerra, segundo Pinheiro, tinham como objetivo liberar recursos do ministério necessários para que a obra fosse tocada. O acerto teria sido feito por Elmar Varjão, então diretor da OAS no Nordeste. Por meio de nota ao Globo, a defesa do senador disse que não teve acesso ao teor da delação e que a palavra de Léo Pinheiro, “isoladamente”, não permite sequer o recebimento de denúncia.

O ex-presidente da OAS relata que participou de um jantar com Bezerra, no início de 2008, para que fosse apresentado ao seu operador financeiro, o publicitário André Gustavo Vieira. À época, Bezerra era secretário de Desenvolvimento Econômico do governo de Pernambuco, comandado então por Eduardo Campos (PSB). Ficou estabelecido que a interlocução com Bezerra, inclusive para o pagamento de propina, seria feita por meio do publicitário, afirmou o delator.