Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Lideranças indígenas lançam manifesto a favor de direitos constitucionais

Equipe BR Político

O cacique kayapó Raoni reuniu cerca de 600 lideranças indígenas de 45 etnias distintas durante quatro dias do Encontro dos Povos Mebengokrê, na Terra Indígena Capoto Jarina, às margens do rio Xingu, no Mato Grosso. No final do encontro, na sexta, 17, o grupo publicou um manifesto no qual pede ao governo federal respeito à Constituição de 1988.

“O Estado brasileiro reconhece os direitos indígenas pela Constituição Federal de 1988 nos artigos 231 e 232, na qual fizemos parte da construção, além de outras normas jurídicas nacionais e internacionais, como a convenção 169 da OIT, por isso exigimos que seja respeitado nosso direito à consulta livre, prévia e informada toda vez que sejam previstos projetos e decisões que possam nos impactar e ameaçar nossos territórios e modos de vida”, diz o texto.

O tradutor e sobrinho de Raoni, Megaron Txucarramãe, pediu uma Funai mais fortalecida. “Queríamos que a Funai voltasse aos bons tempos. Estivesse fortalecida e com estrutura para ajudar os povos indígenas como nos tempos de Olímpio Serra, Sidney Possuelo, Claudio Romero e os outros presidentes que realmente pensavam nos povos indígenas”, segundo registra o site Amazônia Real.

Para Afukaka Kuikuro, um dos líderes do Parque Nacional do Xingu, é preciso mobilizar os jovens indígenas. “Precisamos nos unir não só para defender território, mas para cuidar que os jovens tenham orgulho de ser indígena e veja futuro dentro de nossa cultura”.

O manifesto foi elaborado para ser entregue ao presidente Jair Bolsonaro.

Tudo o que sabemos sobre:

RaoniXingumanifestoFunai