Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Lira elogia Maia e pede para que ‘Poderes saibam seus limites’

Gustavo Zucchi

Exclusivo para assinantes

Líder “de fato” do governo após a união do Centrão com o Planalto, Arthur Lira (PP-AL) foi ao plenário da Câmara comentar o discurso feito pelo presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Foi o único da nova base de Jair Bolsonaro na casa que se manifestou. Disse que seu partido “se sente contemplado” com o posicionamento de Maia e elogiou o democrata. Mas, assim como o presidente da Casa, também deu seus recados.

O líder do centrão, deputado Arthur Lira

O líder do centrão, deputado Arthur Lira Foto: Maryanna Oliveira/Câmara dos Deputados

Lira falou sobre a decisão de seu bloco de se aproximar ao governo, citada por Maia em seu pronunciamento como “legítima”.  “Vossa excelência faz em seu discurso o que é mais republicano, uma pessoa humana que tem essa característica, aqui digo de viva voz, que é de reconhecer que as alianças são necessárias quando feitas de boa-fé”, disse Lira. “É preciso sim, que coloquemos em prática essa realidade, todos juntos, líderes de oposição, de centro, de direita, que é despolitizar essa crise, acalmar os ânimos e pedir e lutar para que todos os partidos imbuídos deste princípio saibam seus limites. Tanto o Executivo, quanto o Judiciário e principalmente o Legislativo”, completou.

Em consonância com o governo, falou também da imposição das medidas de isolamento social para a camada mais baixa da população. “Temos problemas muito graves no Brasil, como saneamento e habitação, que vão nos enforcar no trato e na luta contra esse vírus”, disse. “Não há como você pedir para uma família que vive em cinco, dez metros quadrados, com oito pessoas dentro, fazer quarentena. Ela é fundamental, ela atrasa o ciclo, mas nós temos, enquanto poder Legislativo, prezar por estas pessoas”, afirmou.

Todos os outros líderes de oposição (PT, PDT, PSB, PCdoB, PSOL) e de centro mais próximos de Maia (PSDB, DEM, MDB, PSL, PV, Novo, Cidadania e Solidariedade) falaram sobre a fala do presidente da Casa. Lira foi o único do Centrão governista (PP, PL, Republicanos, PSD, Avante, Patriota, PSC, PROS, PTB) a pedir a palavra. Nem mesmo o líder do governo “oficial”, Major Vítor Hugo (PSL-GO), pediu a palavra para opinar sobre o posicionamento de Maia.