Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Lula destaca ‘coincidência’ com apreensão de cópia de grampos

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

A operação E$quema S, que mirou ontem em escritórios de advocacia suspeitos de desvios do Sistema S, apreendeu o HD com a cópia dos áudios grampeados com autorização do ex-juiz Sérgio Moro no escritório do advogado Cristiano Zanin e Roberto Teixeira, que defende o ex-presidente Lula, entre fevereiro e março de 2016, totalizando 14 horas e 23 dias. A apreensão foi revelada pelo O Globo. O ex-presidente chamou o caso de “coincidências da vida”.

O ex-presidente Lula

O ex-presidente Lula Foto: Dida Sampaio

Em março de 2018, a 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) determinou a destruição dos áudios, mas ao escritório de advocacia foi permitida a permanência de uma cópia. Os grampos incluem a fatídica conversa entre Lula e a ex-presidente Dilma Rousseff sobre a nomeação dele para comandar a Casa Civil. O site The Intercept Brasil revelou que Moro combinou com o procurador Deltan Dallagnol o vazamento do áudio, que na sequência recebeu forte reprimenda do falecido ministro Teori Zavascki, do STF. Moro alegou, à época, que tratou-se de um “equívoco”.

 

Tudo o que sabemos sobre:

grampoCristiano ZaninLulaPF