Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Maia avisa que estado de calamidade não será prorrogado

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

Logo após reunião com o ministro Paulo Guedes (Economia), o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), avisou que não irá pautar nem a prorrogação do Estado de Calamidade, nem a PEC do Orçamento de Guerra. Isso faria com que já no próximo ano, com ou sem pandemia de coronavírus, o governo tenha de voltar a respeitar o teto de gastos. Maia ainda destacou que não haverá “jeitinho” para burlar a regra em 2021.

“Não tem jeitinho, não tem esperteza. O que tem é a realidade”, afirmou Maia. “Deixamos claro que a calamidade é a PEC terminam no final do ano. Não podemos furar o teto como solução”, disse o presidente da Câmara. Guedes apoiou a fala de Maia. “Furar o teto levaria o presidente para uma zona sombria. Ele sabe disso e tem nos apoiado”.

Como revelou o BRP em seu relatório Fique de Olho desta semana, parte da equipe econômica estaria avaliando maneiras de “driblar” o teto de gastos. A ideia seria usar os restos a pagar dos créditos extraordinários aprovados no bojo do chamado Orçamento de Guerra, aprovado neste ano para responder à necessidade urgente de gastos com a pandemia de covid-19, para obras no ano que vem.

Tudo o que sabemos sobre:

Rodrigo MaiaPaulo Guedesteto de gastos