Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Maia bate outra vez na tecla para estender renda emergencial de R$ 600

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), defendeu mais uma vez a prorrogação do auxílio emergencial no valor original do benefício, R$ 600, enquanto o governo federal não bate o martelo sobre o valor a ser pago por mais alguns meses a quem não tem renda nesta pandemia do novo coronavírus. Em live promovida pela Instituição Fiscal Independente do Senado (IFI) nesta quinta, 25, Maia sugeriu duas novas parcelas do benefício.

“Temos que discutir o auxílio emergencial. Eu defendo pelo menos dois meses de R$ 600 e conseguindo melhorar o cadastro (de beneficiários) (…) O cadastro do auxílio emergencial foi feito de forma equivocada, desrespeitando o Cadastro Único”, criticou.

O parlamentar também reforçou seu posicionamento em favor do isolamento social como política de combate ao novo coronavírus. “Isolamento vem ao encontro de salvar vidas e não prejudicar a economia. O que derruba a economia é o vírus.”

Nesta manhã, o o ministro da Secretaria de Governo da Presidência da República, Luiz Eduardo Ramos, escreveu no Twitter que o governo vai pagar três parcelas adicionais (de R$ 500, R$ 400 e R$ 300) da renda básica emergencial, mas logo depois apagou a informação alegando “equívoco”.