Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Maia contesta tese de negociata por votos na CCJ

Equipe BR Político

Diante do calor nesta tarde de quarta, 24, das acusações de deputados da oposição contra governistas, no plenário da Câmara, por suposta troca de voto na CCJ por promessa de verbas do Planalto, o presidente da Casa, Rodrigo Maia, ironizou. “Ninguém está tratando sobre um Orçamento tão flexível assim para que se possa influenciar votação. Mas se governo tiver R$ 1 ou R$ 2 milhões para o meu Estado, vou ficar muito feliz”, disse ele. O principal articulador da reforma na Casa acrescentou que o “se executar o Orçamento for crime não sei mais como se faz política. Agora, uma coisa é execução do Orçamento, outra coisa é trocar e a Câmara não está trocando nada”, afirmou.

Maia defendeu que deputados que votaram a favor da reforma o fizeram com a convicção de que era o melhor para a economia do País. “Sabemos que a votação da Previdência é fundamental”, disse. Líderes do Centrão dizem que o governo chegou a oferecer emendas extras para os deputados em conversas sobre a aprovação da reforma da Previdência. A oferta teria sido feita em reuniões individuais realizadas na semana passada entre Maia, o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, e os líderes.

Tudo o que sabemos sobre:

emendasRodrigo MaiaprevidênciaCCJ