Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Maia diz que Bolsonaro ‘atrapalha’ combate à covid-19

Vera Magalhães

Exclusivo para assinantes

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, disse que “certamente” o presidente Jair Bolsonaro “atrapalha” o combate ordenado de todos os Poderes e as instâncias à pandemia do novo coronavírus. Ele disse que quando manda uma mensagem ao Congresso pedindo a decretação de calamidade pública e, em seguida, vai à TV e chama a pandemia de “gripezinha”, o presidente confunde a opinião pública e causa “ansiedade” numa parcela da sociedade que está vendo a perspectiva de ficar sem renda e vê o discurso presidencial como “salvação”.

“É claro que ele não escreve essas coisas que fala, porque seus assessores não deixam”, disse Maia. “Se assinar alguma orientação formal que vá contra as orientações da OMS e do seu ministro da Saúde e o Brasil venha a passar (e tudo indica que vamos passar) pelo que o resto do mundo está passando, certamente ele responderá pessoalmente por essa decisão de liberar o isolamento sem ter um embasamento legal para isso”, afirmou.

Para o presidente da Câmara, o governo demora e erra ao não mandar um pacote ordenado e completo para combater a pandemia em todas as suas frentes. Ele elogiou a conduta do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, que é do DEM, o seu partido, mas criticou a atuação do Ministério da Economia, ao dizer que demorou a acreditar que os efeitos da pandemia seriam graves e, por isso, não pensou um pacote coeso. Com isso, diz Maia, as medidas foram para o Legislativo incompletas, e vários setores ficaram a descoberto.

Em outro trecho da entrevista, Maia voltou a se queixar da atuação do chamado gabinete do ódio, cujo “comando” atribuiu ao ideólogo Olavo de Carvalho. “Toda semana eles tentam criar uma nova narrativa para enfraquecer o parlamento, para enfraquecer o ministro Mandetta”, disse. O deputado afirmou que o esquema de propagação dessas fake news é financiado por empresários.

Ele chamou os assessores do presidente que integram o chamado gabinete do ódio de “marginais”, e disse que a sociedade ocupou espaço nas redes sociais durante a pandemia, ajudando a neutralizar o efeito do esquema de propagação de fake news da rede bolsonarista.

Tudo o que sabemos sobre:

Rodrigo MaiaJair Bolsonarocoronavírus