Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Maia diz que CPMF não volta ‘em hipótese alguma’

Equipe BR Político

Em evento promovido pelo Santander Brasil nesta segunda-feira, 12, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que o Congresso não pretende propor a volta da CPMF “em hipótese alguma” e disse que há “agenda com o BC” para reduzir o spread bancário. “Eu trabalhei pelo fim da CPMF e não vai ser agora que vou retomar este tema. Não vamos recriar a CPMF. É ruim para a sociedade. Precisamos encontrar uma solução de simplificação do sistema em outro ambiente e não a volta da CPMF”, disse. A volta do imposto é discutida no âmbito da reforma tributária, que, na visão de Maia, deveria se concentrar sobre o setor de bens e serviços.

Sobre a questão do spread bancário, Maia afirmou que o governo e o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, enviarão propostas ao Congresso para diminuir a diferença nas taxas cobradas pelos bancos. “Ele (Campos Neto) me disse que o spread médio no Brasil é de 19% e no México é 6%. Se o México tivesse a nossa estrutura de custos, o spread bancário seria muito parecido com o nosso. Tem uma questão estrutural a ser resolvida que ele está estudando e, certamente ao que couber a lei, estaremos prontos para votar o mais rápido possível”, disse. O presidente da Câmara ressaltou, porém, que é necessário cobrar os bancos “do lado certo”. “Se cobrar do spread, aumenta o spread. Se cobrar da atividade de serviços dos bancos, não dá motivo para os bancos falarem que spread é alto porque está se tributando mais o spread bancário. Tem de saber onde tributa e como tributa”.

Tudo o que sabemos sobre:

Rodrigo MaiaCPMFspread bancário