Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Marcelo de Moraes

Maia rebate Bolsonaro: ‘Guedes confirmou que o presidente é mentiroso’

Cassia Miranda

Exclusivo para assinantes

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), chamou o presidente Jair Bolsonaro de mentiroso, nesta sexta-feira, 18. O parlamentar partiu para o contra-ataque, ao rebater as acusações feitas pelo chefe do Executivo de que ele seria o responsável pelo não pagamento do 13.º do Bolsa Família.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia. Foto: Maryanna Oliveira/Câmara dos Deputados

“A narrativa de que eu deixei caducar a MP do 13.º bolsa Família não vem de hoje. Peguem as redes sociais dos extremistas bolsominions e você vai ver que está lá que ‘Rodrigo Maia derruba e caduca Medida Provisória do 13.º do Bolsa Família e do BPC’. Então, é uma articulação conjunta para desqualificar e desmoralizar a imagem dos adversários do presidente da República, mas hoje o próprio ministro Paulo Guedes confirmou que o presidente é mentiroso, quando disse que de fato não há recursos para o 13.º do Bolsa Família”, disse o parlamentar em discurso na Câmara.

Mais cedo, o ministro da Economia afirmou que conceder o benefício seria “crime de responsabilidade fiscal”. Ontem, durante transmissão ao vivo pelas redes sociais, Bolsonaro disse que Maia deveria ser cobrado sobre o tema.

“Não teve 13.º porque o presidente da Câmara deixou a medida provisória caducar. Vai cobrar o presidente da Câmara”, disse o chefe do Palácio do Planalto.

Segundo Maia, se Bolsonaro tivesse tido “coragem”, o Congresso poderia ter discutido não só o 13.º do Bolsa Família, mas também a extensão do auxílio emergencial.

“Então se hoje o presidente não consegue promover uma melhora do Bolsa Família, ou uma expansão do auxílio emergencial, para esses milhões de brasileiros que ficarão sem nada a partir de primeiro de janeiro, a responsabilidade é exclusiva dele, que tem um governo que é liberal na economia, mas não tem coragem de implementar essa política dentro do governo e principalmente no Parlamento”, rebateu o presidente da Câmara.