Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Maia sobre o MEC: ‘Lunáticos conseguem prevalecer’

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), criticou no domingo, 5, a paralisia no Ministério da Educação e se referiu ao ex-ministro Abraham Weintraub como “lunático”. O parlamentar defendeu ainda que o presidente Jair Bolsonaro se afaste do núcleo ideológico do qual o ex-ministro faz parte.

Foto: Adriano Machado/Reuters

“Lunáticos conseguem prevalecer num debate onde a racionalidade deveria ser a principal palavra”, disse em entrevista à Globo News. “Espero que os lunáticos deixem de ser relevantes. O MEC não pode estar atrelado à política reacionária, populista, a um enfrentamento falso entre esquerda e direita.”

Ontem, o secretário de Educação do Paraná, Renato Feder, declinou ao convite de Bolsonaro para assumir o MEC.

Fundeb

Maia disse ainda que vai levar à votação no plenário, na próxima semana, a proposta que institui um novo Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb).

Hoje, o governo aporta no Fundeb 10% do valor depositado por Estados e municípios. Até antes da pandemia, a proposta em discussão na Câmara pretendia elevar o índice para 15% a partir de 2021 e aumentá-lo de forma escalonada, até 2026, a 20%.

Com a pandemia e com os novos gastos exigidos ao governo, porém, o texto final da proposta, relatada pela deputada Dorinha Seabra (DEM-TO), sofreu reparos. A nova sugestão é a de que o complemento seja de 12,5% a partir do ano que vem.

“A gente sabe que a crise da pandemia não estava na previsão de ninguém”, comentou Maia. “Espero que nesta semana a gente tenha as últimas conversas para votar na semana que vem”. Em vigor desde 2007, o Fundeb atual é temporário e será extinto em dezembro. Trata-se do principal mecanismo de financiamento à educação básica do País. A não renovação pode levar o sistema educacional a um colapso.

 

 

Tudo o que sabemos sobre:

Rodrigo MaiaMECfundeb