Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Mandetta fica no Ministério da Saúde

Cassia Miranda

Exclusivo para assinantes

Depois de um dia de muita tensão e rumores de que o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, seria demitido pelo presidente Jair Bolsonaro, a decisão tomada pelo Planalto foi de manter o auxiliar no cargo em meio à pandemia do novo coronavírus. A sentença foi definida depois de uma reunião entre o presidente e seus ministros na tarde desta segunda-feira, 6.

Mandetta durante coletiva de imprensa no último dia 2 de abril. Foto: Isac Nóbrega/PR

Depois do encontro, o ministro concedeu uma coletiva de imprensa na sede do Ministério da Saúde. Na chegada, foi aplaudido por servidores da pasta, mas afirmou que “a hora não é de aplaudir”. O ministro iniciou a fala reforçando que o ministério desenvolve um trabalho “técnico” do qual ele apenas é “porta-voz”.

Sem citar o presidente Bolsonaro, Mandetta disse que esta segunda-feira foi um dia de “solavanco” e pediu “paz para seguir” os trabalhos no ministério. “Hoje foi um dia que rendeu muito pouco o trabalho aqui no ministério”, disse o ministro, e justificou: “Todo mundo ficou com a cabeça meio avoada”, disse, em referência aos rumores de que seria demitido.

Segundo o ministro, a reunião ministerial desta tarde foi “muito boa”. A impressão, segundo o ministro é de que o “governo se reposiciona” no combate ao novo coronavírus. “O nosso inimigo tem nome e sobrenome e se chama covid-19”, disse.

Crise

A relação entre os dois começou a azedar nas últimas semanas, quando se acentuou a direção contrária entre as orientações de Mandetta e Bolsonaro em relação às medidas de combate à covid-19. Durante a coletiva, o ministro afirmou que ele e a equipe do ministério não tem “nenhum receio da crítica construtiva”, mas tem “dificuldade quando, em determinadas situações, as críticas não vêm no sentido de construir”, disse Mandetta.

Atualmente, o Brasil tem 12.056 casos confirmados e 553 mortes pela doença.

Isolamento social

O ministro reforçou a necessidade de que o isolamento social seja mantido, como recomenda a Organização Mundial da Saúde (OMS).  “A movimentação social é tudo o que esse vírus quer”, disse o ministro.