Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Mandetta muda o tom e agora é contra plantio de cannabis medicinal

Equipe BR Político

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, disse nesta quarta-feira, 21, que é contrário ao plantio de cannabis no Brasil para fins medicinais e científicos. “Seria uma droga a mais para lutar. Já temos o álcool, o tabaco, que são drogas lícitas e a gente tem que lidar com os malefícios”, disse. A declaração de Mandetta ocorre após o ministro da Cidadania, Osmar Terra, e o presidente Jair Bolsonaro, se posicionarem contra uma regulamentação em análise na Anvisa, que propõe liberar o cultivo da maconha para elaboração de medicamentos e pesquisas. Até a declaração de hoje, Mandetta havia adotado um tom ameno sobre o assunto, afirmando que não via problemas na proposta da agência, desde que ela seguisse princípios e descobertas científicas. O projeto estava sob consulta pública até essa segunda-feira, 19. Segundo a agência, 67,8% das contribuições recebidas neste período consideram que a proposta trará impactos positivos.

Medicamentos que utilizam substâncias derivadas da maconha são utilizados para o tratamento de esclerose múltipla, dentre outras doenças. Atualmente, é possível solicitar à Anvisa uma autorização para importar os produtos que utilizam esses derivados. O custo, porém, é muito alto, e o plantio em solo brasileiro seria uma forma de baratear os tratamentos. Segundo o Broadcast Político, Mandetta afirmou hoje que o plantio é desnecessário, e apontou a importação de substâncias como solução para os casos médicos que dependem dos derivados da maconha. Sobre a posição de Terra, Mandetta disse que o Ministério da Saúde discute o tema sob um outro ponto de vista. “Osmar (Terra) travou uma luta com a questão das drogas. O que nos interessa no ministério é outro ponto. Médicos precisam disso?”, afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:

Luiz Henrique Mandetta