Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Marina alerta para efeito da alta de preços com fim do auxílio emergencial

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

A ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva afirmou que a alta dos preços de alimentos da cesta básica combinada com o  fim do pagamento do auxílio emergencial será “trágica para milhões de famílias brasileiras”. Segundo ela, o enfrentamento da pobreza no cenário de crise “deveria ser uma premissa ética de qualquer governante responsável. Não por populismo, mas pelo compromisso com a dignidade humana.”

A ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva

A ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva Foto: Hélvio Romero/Estadão

Na semana passada, frente à alta de preços de alimentos da cesta básica, o presidente Jair Bolsonaro pediu “patriotismo” aos supermercados contra o aumento. Apesar dos apelos do presidente, o agronegócio brasileiro é apontado como causador das variações dos preços por darem prioridade ao mercado externo.

“O Brasil teve uma queda abrupta do PIB de 9,7% no segundo trimestre. Foi o pior resultado em 24 anos. A economia brasileira entrou em recessão. Quase 9 milhões de brasileiros perderam o emprego em três meses de pandemia. O aumento da desigualdade no País, por conta da pandemia da Covid-19, é bastante preocupante. O auxílio emergencial de R$ 600 ajudou a tirar uma parcela da população da zona da pobreza, mas o quadro poderá piorar em 2021. Segundo os especialistas, as estimativas apontam que cerca de 13 milhões de pessoas poderão retornar para as faixas mais pobres por conta do fim do auxílio emergencial”, escreveu a ex-ministra em seu Twitter nesta quarta-feira, 9.