Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

‘Marinho está lá, são as digitais dele’, critica Guedes sobre plano

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

O ministro da Economia, Paulo Guedes, criticou a iniciativa do Plano Pró-Brasil durante a reunião ministerial do dia 22 de abril, e afirmou que seu caminho poderia levar o governo a acabar como o da ex-presidente Dilma Rousseff. “Eu queria fazer a primeira observação, é o seguinte, não chamem de Plano Marshall porque revela um despreparo enorme”, iniciou Guedes depois da apresentação do ministro da Casa Civil, Walter Braga Netto. O chefe da pasta da Economia se mostrou irritado com o projeto e citou seu desafeto, o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, como responsável.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, durante a reunião do governo de 22 de abril

O ministro da Economia, Paulo Guedes, durante a reunião do governo de 22 de abril Foto: Marcos Corrêa/PR

“Nós desalavancamos banco público, reduzimos endividamento, baixamos juros e o Brasil ia começar a voar. Então se agente lançar agora um plano, é … todo o discurso é conhecido: ‘acabar com as desigualdades regionais’, Marinho, claro, tá lá, são as digitais dele. É bonito isso, mas isso é o que o Lula, o que a Dilma estão fazendo há trinta anos. Se a gente quiser acabar igual a Dilma, a gente segue esse caminho”, disse.

Marinho respondeu: “Caiu um meteoro sobre as nossas cabeças. Então, por favor, nós não podemos começar uma discussão com verdades absolutas e com dogmas estabelecidos ao longo de cem anos, em função de uma catástrofe que se abateu sobre o mundo, e os governos de todo o mundo estão se debruçando sobre o assunto, entendendo que muda o papel do Estado. Senhor presidente, é bom lembrar que quando houve a unificação da Alemanha, eu acho que esse é um fato histórico irrefutável, o Estado alemão entendeu e fez um pacto de que de .. . haveria necessidade de investir em capital humano e infraestrutura na Alemanha Oriental para diminuir desigualdades regionais.”