Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Mercosul: Bolsonaro fala em ‘desfazer opiniões distorcidas’ sobre o Brasil

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

O presidente Jair Bolsonaro se comprometeu com uma tarefa difícil, nesta quinta-feira, 2, durante encontro da Cúpula do Mercosul: buscar um esforço para “desfazer opiniões distorcidas” sobre a política ambiental do Brasil no exterior.

O presidente Jair Bolsonaro durante a cúpula do Mercosul

O presidente Jair Bolsonaro durante a cúpula do Mercosul Foto: Reprodução/TV BrasilGov

E a missão não é nada fácil porque, entre outros motivos, por exemplo, ontem o Inpe revelou que no mês passado o Brasil bateu recorde de focos de queimada na Amazônia em junho.

“Nosso governo dará prosseguimento ao diálogo com diferentes interlocutores para desfazer opiniões distorcidas sobre o Brasil e expor as ações que temos tomado em favor da proteção da floresta amazônica e do bem-estar das populações indígenas”, disse Bolsonaro no encontro, que ocorre hoje por videoconferência.

O Brasil vem sendo pressionado por investidores internacionais que têm ameaçado cortar investimentos em represália ao desmatamento de florestas no País. No mês passado, um grupo de 30 instituições financeiras internacionais, que gerem US$ 3,75 trilhões, enviou uma carta a seis embaixadas do Brasil na Europa, no Japão e EUA com alertas de que podem retirar recursos do Brasil caso o governo brasileiro não detenha o aumento do desmatamento.

Bolsonaro disse ainda que os próximos meses serão de “grandes desafios” para a América do Sul devido ao novo coronavírus e que será preciso conciliar a preservação de vidas com “o imperativo de recuperar a economia”. Ele também defendeu a agenda reformista e fez acenos por novos acordos comerciais do bloco.

“Buscamos também mais e melhor inserção do Brasil na região e no mundo. E o Mercosul é nosso principal veículo para essa inserção. Os históricos acordos selados em 2019 com a União Europeia e a Associação Europeia de Livre Comércio (EFTA) evidenciam que estamos no caminho certo”, emendou.

Além do acordo de livre-comércio firmado com a União Europeia no ano passado, que ainda terá de passar por processo de ratificação, Bolsonaro disse que “o Brasil está disposto a avançar em outros entendimentos com parceiros mundo afora”.

“Queremos levar adiante Canadá, Coreia, Cingapura e Líbano. Queremos expandir acordos vigentes com Israel e Índia e abrir novas frentes na Ásia. Temos todo interesse de buscar tratativas com países da América Central.”

Tudo o que sabemos sobre:

MercosulJair Bolsonarofloresta amazônica