Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Militar é nomeado para secretaria almejada pelo Centrão na Saúde

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

O cargo de secretário de Atenção Especializada (Saes) do Ministério da Saúde, que estava na mira do Centrão, foi entregue a mais um militar. O ministro interino, general Eduardo Pazuello, nomeou o coronel Luiz Otávio Franco Duarte nesta quarta-feira, 27, para assumir a secretaria. Desde quando Nelson Teich era ministro, o cargo estava prometido ao médico Marcelo Campos Oliveira, que ocupa uma diretoria na pasta e passou pelo aval de líderes do PL e do Progressista. 

O ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello

O ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello Foto: Alan Santos/PR

A secretaria que será comandada por Duarte libera recursos para custeio de leitos em hospitais de todo o País e é cobiçada pela verba que controla. Durante a pandemia, a Saes já autorizou bancar R$ 911,4 milhões para o funcionamento, por 90 dias, de 6.344 quartos de UTI para a covid-19.

A nomeação entra para a conta crescente de militares no Ministério da Saúde. Em pouco mais de uma semana, foram 17 membros das Forças Armadas nomeados para a pasta, cuja maioria não dispõe de formação médica. Desde a chegada de Pazuello, o ministério já conta com 20 novos militares em cargos comissionados. 

O comando da secretaria ficou vago no dia 13, quando foi demitido o administrador de empresas Francisco de Assis Figueiredo, que havia sido indicado pelo Progressistas ainda no governo do ex-presidente Michel Temer. Nas tratativas para a sucessão, o ex-presidente do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems) Mauro Junqueira chegou a ser convidado ao cargo, mas a negociação se encerrou quando partidos pediram a vaga.

Ao Estadão, o Ministério da Saúde afirmou que as nomeações feitas “envolvem profissionais capacitados e com experiência em lidar com situações de crise”. Apesar do avanço de casos da pandemia no País, a pasta alega que “a estratégia de resposta brasileira à covid-19 não foi prejudicada em nenhum momento.”