Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Marcelo de Moraes

Ministério da Saúde contesta reclamação de pesquisadores

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

Após um grupo de pesquisadores citados pelo Ministério da Saúde como colaboradores na elaboração do plano nacional de vacinação contra a covid-19 afirmar que não foi consultado sobre a versão final do texto apresentado no sábado, 12, a pasta alegou na manhã deste domingo, 13, que os especialistas convidados “não tinham qualquer poder de decisão” no programa de imunização.

Segundo a pasta, o papel dos especialistas era de “cunho opinativo e sem qualquer poder de decisão” sobre o plano apresentado ontem.

O ministério também rebate críticas do grupo de especialistas, que manifestaram preocupação com a retirada de grupos prioritários (presidiários foram removidos da lista de grupos que seriam vacinados), e respondeu que todo plano de vacinação precisa elencar um grupo de pessoas mais vulneráveis, mas afirmou que outros grupos poderão ser imunizados após as fases iniciais do programa.

Em nota, o Ministério da Saúde alegou que não apresentou uma data exata para a vacinação porque não há ainda no mercado nacional “uma vacina eficaz e segura”, aprovada pela Anvisa.

“Apresentar uma data, especificar um imunobiológico e apresentar informações sem a devida identificação de uma vacina aprovada pela Anvisa não condiz com as práticas de segurança e eficiência do Programa Nacional de Imunizações da pasta, que não trabalha com fulcro em especulações desprovidas de confirmações técnicas e científicas”, completou o ministério. As informações são de Eduardo Rodrigues, do Estadão.

Tudo o que sabemos sobre:

Ministério da Saúdevacinapesquisadores