Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Ministério da Saúde vai explicar ‘relaxamento’ da quarentena

Vera Magalhães

Exclusivo para assinantes

O ministro Luiz Henrique Mandetta e os técnicos da pasta da Saúde vão usar a entrevista coletiva desta terça-feira para rever uma medida anunciada de forma atravessada na segunda-feira e que vem provocando controvérsia: a do relaxamento da quarentena em cidades que tenham 50% de ociosidade no sistema hospitalar.

De acordo com o que fontes do ministério informaram ao BR Político, a medida foi desenhada pela equipe quando ela imaginava que seria demitida e substituída por outra contrária aos protocolos de distanciamento social. Por isso, a ideia era deixar um plano mínimo de relaxamento das restrições.

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta e o secretário João Gabbardo

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta em coletiva Foto: Reprodução/TV BrasilGov

Mas hoje os técnicos vão deixar claro que esses critérios não valem para agora, e sim para a fase da “descida da montanha”, ou seja: depois do pico do surto do novo coronavírus, que ainda não se sabe com clareza quando será, as cidades que passarem a ter ociosidade hospitalar poderiam relaxar as regras de isolamento social.

Isso se dará obedecendo uma combinação de quatro parâmetros, e não apenas as vagas de leitos hospitalares, mas também os leitos em UTI, a quantidade de testes disponíveis e realizados e o número de profissionais de saúde na ativa.

Os critérios serão detalhados na coletiva desta terça, mas no ministério existe a percepção de que o tumulto da segunda-feira, em que a equipe de Mandetta literalmente esvaziou as gavetas na expectativa de ser demitida ou deixar os postos em solidariedade ao ministro, atrapalhou o anúncio e fez com que ele saísse truncado.

O temor é que cidades passem a relaxar a quarentena com base no que disseram os técnicos, o que não é nem de perto a orientação do Ministério da Saúde para este momento da pandemia.