Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Ministério homologa candidatos à diretoria do Inpe, há quase um ano com interino

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

Depois da crise interna do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) nesta semana com as movimentações em torno da reestruturação do órgão, o Ministério da Ciência e Tecnologia divulgou a homologação das inscrições para a próxima etapa da seleção para o cargo de diretor da instituição, que está com um interino há quase um ano. 

O atual interino do Inpe, Darcton Policarpo Damião, que liderou o processo de reestruturação do órgão

O ex-diretor Ricardo Galvão foi exonerado do Inpe logo após a repercussão de alertas do desmatamento crescente na Amazônia em agosto de 2019. Na ocasião, o presidente Jair Bolsonaro contestou os dados do órgão e fez acusações contra Galvão de que o cientista tinha a intenção de “sujar” a imagem do País. Apenas no início de julho deste ano que terminou o prazo para as inscrições dos interessados no cargo de diretor.

São nove inscritos que tiveram a candidatura homologada pelo comitê responsável. Entre eles está o atual interino do Inpe, Darcton Policarpo Damião, que liderou o processo de reestruturação do órgão. Anunciada nesta semana pela Pasta da Ciência e Tecnologia em coletiva com a participação de Damião ao lado do ministro Marcos Pontes, a reestruturação do Inpe tem causado desconforto interno e visto com desconfiança por pesquisadores e técnicos do órgão. 

Na semana passada, duas cartas enviadas por pesquisadores do Inpe à entidade inferem que Damião tem conduzido “em virtual sigilo” uma reestruturação “sem qualquer critério, técnico ou de gestão, aceitável”. A nova estrutura, segundo eles, vai “na contramão das tendências atuais de pesquisas em redes colaborativas com liberdade acadêmica e autonomia científica”. De acordo com os documentos, nos últimos meses teria sido instituída uma estrutura paralela que “opera e decide” sobre o instituto, mas que não existe administrativamente. Segundo os pesquisadores, a posição de Damião o dá vantagem no processo de escolha do novo diretor da entidade.

Segundo o instituto, na próxima etapa, os candidatos farão apresentações públicas dos planos de gestão e visão de futuro para o órgão, além de participarem de entrevistas individuais. A partir daí será formada uma lista tríplice que será encaminhada para o ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, que fará a escolha.