Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Mourão diz que ‘na hora certa’ Brasil vai cumprimentar Biden

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

Contrariando a tradição diplomática do País, por ainda não ter cumprimentado o democrata Joe Biden pela vitória na eleição americana, o vice-presidente Hamilton Mourão afirmou nesta segunda-feira, 9, que, “na hora certa”, o presidente Jair Bolsonaro transmitirá os cumprimentos ao candidato eleito nos EUA. Ele opinou que o Brasil “não corre risco” de ficar para trás nas relações com os Estados Unidos mesmo sendo um dos poucos países que ainda não comentou o resultado do pleito americano.

O vice-presidente, Hamilton Mourão, em audiência do Senado nesta terça

O vice-presidente, Hamilton Mourão, em audiência do Senado nesta terça Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado

“Eu julgo que o presidente está aguardando terminar esse imbróglio aí de discussão se tem voto falso, se não tem voto falso, para dar o posicionamento dele. É óbvio que o presidente, na hora certa, vai transmitir os cumprimentos do Brasil a quem for eleito”, disse em conversa com jornalistas ao chegar na sede da vice-presidência.

Aliado de Donald Trump, Bolsonaro aguarda o que chama de “quadro concreto” sobre a eleição norte-americana antes de se pronunciar, segundo apurou o Estadão/Broadcast. O atual chefe de Estado americano contesta o resultado na Justiça e alega, sem provas, que houve fraude no processo eleitoral com contagem de “votos ilegais”.

“Não julgo que corra risco [de ficar para trás], vamos aguardar, né. Acho que essa semana define aí as questões que estão pendentes e aí a coisa volta ao normal e a gente se prepara para o novo relacionamento que tem que ser estabelecido”, disse.

Sobre possíveis mudanças na relação com os norte-americanos na pauta ambiental, o vice-presidente destacou que o tema “é muito maior que a questão da Amazônia”.

“Essa discussão não está só em cima da Amazônia. Estará em cima da questão daquilo que foi colocado no Acordo de Paris, que todos os países estão com dificuldade de cumprir”, disse. Questionado se buscaria uma conversa direta com o governo americano sobre a política ambiental brasileira, Mourão disse que essa é uma atribuição do ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo.

“Houve esse caso específico da viagem com os embaixadores porque eu conversei com o presidente (Bolsonaro) e ele me autorizou a fazer isso”, emendou.