Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Mourão ignora alerta de desmatamento anual na Amazônia de 34,5%

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

O vice-presidente Hamilton Mourão tentou mostrar que o desmatamento da Amazônia está em queda, “atravessando” o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) com tuíte divulgado na noite de quinta, 6, mas o tiro saiu pela culatra. O Inpe informa nesta sexta, 7, que em um ano, entre agosto do ano passado e julho deste ano, os alertas de desmatamento no bioma tiveram um aumento de 34,5%, na comparação com os 12 meses anteriores com base em dados do sistema Deter, informa o Estadão.

O vice-presidente, Hamilton Mourão

O vice-presidente, Hamilton Mourão Foto: Reprodução/TV Brasil

Foram desmatados 9.205 km² entre 1º de agosto de 2019 e 31 de julho de 2020, ante 6.844 km² observados nos 12 meses anteriores – que também já era o maior número da série histórica até então.

O Deter é um sistema de monitoramento por satélite em tempo real, voltado para alertar a fiscalização a combater crimes ambientais que estão acontecendo em campo. Não serve como taxa oficial de desmatamento, mas é um bom termômetro da situação. É o Prodes, Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélites, que fornece a taxa anual de desmatamento, cujos dados consolidados do período de agosto de 2019 a julho de 2020, só serão divulgados no meio do ano que vem. Os dados do desmatamento de agosto de 2018 a julho de 2019 do Prodes apontaram desmatamento de mais de 10 mil km2, 34% maior que o registrado no período anterior, enquanto o Deter apontava desmatamento de 9.762 km2, ou seja, em várias ocasiões o alerta do Deter fica abaixo dos dados consolidados do Prodes.

Julho apresentou a primeira queda no comparativo, o que deve ter estimulado a pressa de Mourão. O mês passado registrou uma perda de 1.654,32 km², ante 2.255,33 km² em julho de 2019. Ainda assim, trata-se do segundo pior julho da série histórica do Deter, de cinco anos. Em julho de 2016 a perda registrada foi de 739,46 km²; em 2017 foi de 457,53 km² e em 2018, 596,27 km².

 

Tudo o que sabemos sobre:

Hamilton MourãodesmatamentoAmazônia