Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Mourão sobre rejeição do acordo UE-Mercosul: ‘Tudo é reversível’

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

Depois do Parlamento Europeu rejeitar simbolicamente o acordo entre a União Europeia e o Mercosul, por preocupação com a política ambiental do Brasil, o vice-presidente Hamilton Mourão afirmou que “tem muito ruído nisso aí” e que a posição pode ser revertida. “Faz parte do trabalho diplomático que tem que ser feito. Vamos com calma”, disse nesta quarta-feira, 7.

O vice-presidente Hamilton Mourão

O vice-presidente Hamilton Mourão Foto: Adriano Machado/Reuters

Mourão disse que “tudo é reversível” e mencionou a viagem com embaixadores para a Amazônia prevista para novembro como uma contribuição para tal. “O lobby dos agricultores europeus é muito grande. Também tem a questão dos partidos verdes na Europa que são muito fortes. Tem países que estão em processo eleitoral. Países que estão vivendo crises internas ali. As pressões são enormes. Temos que ir manobrando pouco a pouco”, afirmou. “Lógico, tudo é reversível. Só tem duas certezas na vida: a morte e pagar imposto.”

Na terça, 6, a maioria dos eurodeputados aprovou um relatório sobre a aplicação da política comercial europeia e incluiu uma emenda sobre que diz que o “acordo UE-Mercosul não pode ser ratificado na sua forma atual”. Em uma versão preliminar, o texto dizia que o Parlamento está “extremamente preocupado com a política ambiental de Jair Bolsonaro, em particular no combate ao aquecimento global e à proteção à biodiversidade”.