por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

MP cometeu falhas em quebra de sigilo, diz jornal

Equipe BR Político

A quebra de sigilo autorizada pela Justiça na investigação do Ministério Público do Rio sobre o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho do presidente Jair Bolsonaro, atingiu uma lista de 86 pessoas. Ao menos três delas, porém, nem sequer foram nomeadas pelo senador e não tiveram nenhuma transação financeira com o ex-assessor dele Fabrício Queiroz.

A peça do Ministério Público também atribui equivocadamente ao gabinete de Flávio uma servidora da Assembleia que acumulou outro emprego e apresenta falhas ao relatar suspeitas contra Queiroz, ex-PM, espécie de chefe de gabinete de Flávio e pivô da atual investigação, segundo a Folha.