Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Mulheres podem superar desempenho de 2016 na disputa pelas capitais

Marcelo de Moraes

Nas eleições municipais de 2016, apenas uma mulher venceu a disputa por uma capital. Teresa Surita (MDB) ganhou em Boa Vista (RR), sendo eleita já no primeiro turno. Além dela, apenas outras duas candidatas estiveram perto da vitória, chegando ao segundo turno, mas perdendo: Ângela Amin (PP), em Florianópolis, e Rosiane Modesto (PSDB), em Campo Grande. Mas, em 2020, as pesquisas indicam que esse desempenho poderá ser superior nesta eleição.

Candidata em Porto Alegre, Manuela D’Ávila lidera a disputa pela prefeitura. Foto: Dida Sampaio/Estadão

Manuela D’ávila (PCdoB) lidera a corrida pela prefeitura de Porto Alegre. As pesquisas apontam que deverá haver segundo turno. Mas a recente desistência de José Fortunati (PTB) pode mexer com esse quadro, já que ele disputava uma vaga no segundo turno.

No Rio, a deputada estadual Delegada Martha Rocha (PDT) pode tirar o prefeito Marcelo Crivella (Republicanos) do segundo turno e do caminho da reeleição. Se conseguir, precisará derrotar o líder nas pesquisas Eduardo Paes (DEM). Além disso, pode se tornar a primeira mulher a chegar ao segundo turno na disputa pela prefeitura do Rio desde 1992. Na ocasião, a petista Benedita da Silva acabou derrotada por César Maia (DEM). Em quarto lugar nas pesquisas, Benedita também está na disputa deste ano.

Em Palmas, a atual prefeita Cinthia Ribeiro (PSDB) lidera as pesquisas e pode ser reeleita, já que na capital do Tocantins não há segundo turno – a cidade tem menos de 200 mil eleitores. Cinthia foi eleita vice-prefeita em 2016, mas assumiu a prefeitura em 2018 com a renúncia do prefeito Carlos Amastha.

Em Rio Branco, no Acre, a prefeita Socorro Neri (PSB) luta para chegar ao segundo turno e tentar se reeleger. Assim como Cinthia, ela era vice-prefeita e assumiu com a renúncia de Marcus Alexandre em 2018 para concorrer – e perder – ao governo do Acre.

Em Recife, a deputada federal Marília Arraes (PT) tem chances reais de chegar ao segundo turno contra o líder nas pesquisas João Campos (PSB). Seus principais adversários são Mendonça Filho (DEM) e outra mulher, a Delegada Patrícia Domingos (Podemos).

Em Fortaleza, a ex-prefeita Luizianne Lins (PT) tenta reagir e conquistar uma vaga no segundo turno, mas está atrás de José Sarto (PDT) e Capitão Wagner (Pros). Em Aracaju, a candidata Delegada Danielle Garcia (Cidadania) também tem chances de chegar ao segundo turno contra o prefeito Edvaldo Nogueira (PDT).

Tudo o que sabemos sobre:

mulheresPrefeitasEleições municipais