Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Não há choque entre Poderes, mas ‘fricções’, dizem Gilmar e Ayres Britto

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

O ministro Gilmar Mendes e o ex-ministro do STF Carlos Ayres Britto classificaram o conflito gerado pela Presidência com outros chefes de Executivos, como governadores e prefeitos, sobre necessidade de isolamento nesta pandemia de covid-19 como “fricções”, em live nesta quarta, 22, do site UOL. O ex-magistrado da Corte lembrou que a Constituição estabelece independência dos Poderes quando há esse tipo de dissenso. “Tem havido fricção, um tensionamento incomum entre o chefe do Executivo e os outros dois poderes. Mas, no plano de um depoimento aqui, outra declaração ali, uma frase solta. Desse sentido de uma certa hostilidade do Executivo, mas não a ponto de inviabilizar a vida institucional do País. Separação dos Poderes é clausula pétrea. Se a harmonia não for possível, o artigo 2 diz isso, independência dos Poderes. A ponto de abalar as instituições e comprometer o funcionamento institucional, não chegou a esse ponto e não chegará”, afirmou Ayres Brito, no que foi endossado por Gilmar Mendes, lembrando que o presidente Jair Bolsonaro resolveu romper com o presidencialismo de coalizão. Já para o presidente da CCJ na Câmara, Felipe Francischini, o que há é um “choque entre pessoas”, dando como exemplo a relação conturbada entre Bolsonaro e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia.

O ministro do STF Gilmar Mendes e o ex-ministro Ayres Britto em live da Uol

O ministro do STF Gilmar Mendes e o ex-ministro Ayres Britto em live da Uol Foto: Reprodução/Uol