Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

‘Não se assustem se alguém pedir o AI-5’, diz Guedes

Equipe BR Político

As declarações dadas pelo ex-presidente Lula no dia seguinte à sua soltura, no dia 9, de que era preciso protestar contra as políticas econômicas do atual governo, assombram o ministro Paulo Guedes a ponto de ele concordar com a ideia do deputado Eduardo Bolsonaro para a edição de um novo AI-5. “Quando o outro lado ganha, com dez meses você já chama todo mundo pra quebrar a rua? Que responsabilidade é essa? Não se assustem então se alguém pedir o AI-5”, afirmou o ministro na noite de segunda, 25, em Washington.

Guedes afirmou que “assim que ele (Lula) chamou para a confusão, veio logo o outro lado e disse ‘é, saia para a rua, vamos botar um excludente de ilicitude, vamos botar o AI-5, vamos fazer isso, vamos fazer aquilo. Que coisa boa, né? Que clima bom”, ironizou o ministro, segundo informa o Estadão.

No dia 9 de novembro, em São Bernardo do Campo, Lula afirmou: “É uma questão de honra a gente recuperar esse país. A gente tem que seguir o exemplo do povo do Chile, do povo da Bolívia, a gente tem que resistir. Não é resistir, na verdade é lutar, é atacar e não apenas se defender. A gente tá muito, tá muito, tá muito tranquilo.”

O ministro também sugeriu que o projeto de lei que prevê o excludente de ilicitude para militares e agentes de segurança pública em operações de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) é uma resposta ao discurso de Lula. “Aparentemente digo que não (Bolsonaro não está com medo do Lula). Ele só pediu o excludente de ilicitude. Não está com medo nenhum, coloca um excludente de ilicitude. Vam’bora”, disse o ministro.

Logo após dar a declaração, o ministro afirmou que a fizera em off, apesar de que ele não combinara previamente com a imprensa, a coletiva já durava havia quase duas horas e as emissoras de TV faziam transmissão ao vivo. Questionado novamente sobre a volta do AI-5, ele afirmou:  “É inconcebível, a democracia brasileira jamais admitiria, jamais apoiaria o AI-5, isso é inconcebível”.

Tudo o que sabemos sobre:

Paulo GuedesLulaAI-5