Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Marcelo de Moraes

‘Ninguém receberá a vacina antes de Manaus’, diz Pazuello

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou nesta quarta-feira, 13, que a campanha de vacinação contra a covid-19 será iniciada ainda em janeiro. Em pronunciamento feito há pouco, em Manaus, o general afirmou que a capital amazonense será a primeira cidade do País a vacinar. Na sequência, no entanto, o ministro disse que a imunização ocorrerá de forma “simultânea e proporcional” no País.

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirma que a vacinação será iniciada em janeiro. Foto: Reprodução

“Vamos vacinar em janeiro e Manaus será também a primeira a ser vacinada, eu fui claro? Ninguém receberá a vacina antes de Manaus”, disse. E seguiu: “A vacina será distribuída simultaneamente em todos os Estados em sua proporção de população e Manaus terá essa prioridade também”, afirmou.

O ministro está na capital amazonense desde a última segunda. Nas últimas semanas, a cidade enfrenta seu momento mais duro desde o início da pandemia, com aumento no número de mortes, novos casos e internações em decorrência da covid-19.

O chefe da Saúde destacou ainda que a vacina precisa de tempo, cerca de 30 a 60 dias, para a produção de anticorpos contra a covid-19.”Essa produção de anticorpos não é da noite para o dia”, disse. “Não é tomar a vacina no dia 20 e no dia 22 estar fazendo festa”.

Pazuello chamou de “muito promissoras” as vacinas da AstraZeneca, desenvolvida pela Universidade de Oxford em parceria com a Fiocruz, e a Coronavac, desenvolvida pela farmacêutica Sinovac em parceria com o Instituto Butantã. Ambas já pediram autorização à Anvisa para uso emergencial no Brasil.

“Nós temos duas vacinas para janeiro muito promissoras. Quando a Anvisa concluir a sua análise de segurança e eficácia, três ou quatro dias depois nós estamos distribuindo a vacina pelo Brasil. Ponto. A Anvisa vai se pronunciar no dia 17, botem aí os números para frente”, afirmou.

Mais cedo, o presidente Jair Bolsonaro ironizou a eficácia de 50,3% da Coronavac.