Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Nomeação de apadrinhada de Weintraub sob análise

Equipe BR Político

A nomeação da advogada Kathleen Ferrabotti Matos para a Diretoria de Supervisão da Secretaria de Regulação do Ensino Superior (Seres) será analisada pela Comissão de Ética Pública da Presidência da República, por eventual conflito de interesses no cargo. O pedido para a apuração foi feito pelo PSOL. De acordo com a Folha, Matos, até recentemente, defendia empresas do setor privado de educação. A Seres é justamente a subpasta do MEC responsável por pela formulação de políticas para a regulação e a supervisão instituições de ensino superior no País – públicas e privadas.

Depende da pasta, por exemplo, a autorização para a criação de novos cursos. Segundo a publicação, Matos recentemente atuou em processos envolvendo, por exemplo, a Anhanguera, empresa da Kroton, um dos maiores grupos de educação privada do País. Ela foi nomeada para o cargo pelo ministro da pasta, Abraham Weintraub, que defende maior participação privada no ensino público.

No documento elaborado pelo PSOL, a sigla afirma que a nomeação da advogada “não está em sintonia com padrões éticos”. “A nomeação efetivada pelo ministro de Estado da Educação não está em sintonia com os padrões éticos, morais e socialmente aceitáveis, uma vez que proporciona uma potencial captura do órgão regulador pelo ente regulado, em claro prejuízo para o interesse público”.