por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

O chanceler de fato

Responsável pela organização prévia das viagens presidenciais e principal influência hoje na política externa, a ponto de fazer sombra ao ministro Ernesto Araújo, Eduardo Bolsonaro tem sido chamado nos bastidores do governo de chanceler de fato do Brasil. O Estadão mostra em reportagem que o interesse pelas relações internacionais marca uma guinada na atuação do filho “zero três” do presidente Jair Bolsonaro, que dedicou seu mandato anterior à defesa das armas.

Os aliados de Eduardo estão em postos-chave da administração, como a secretaria especial para assuntos especiais da Presidência, ocupada pelo olavete Filipe Martins, e a Apex.