Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

O impacto do acordo EUA-China para o Brasil

Vera Magalhães

Exclusivo para assinantes

O acordo que pôs fim à guerra comercial entre os Estados Unidos e a China pode ter impacto severo no agronegócio do Brasil. O País se beneficiou do período de restrições impostas por Donald Trump à China aumentando as exportações de soja, grãos e proteína animal para a China. Agora, o acordo prevê que Pequim eleve em US$ 200 bilhões em dois anos a compra de produtos do agronegócio norte-americano.

Estimativa do jornal O Globo é que o Brasil perca US$ 10 bilhões em exportações neste ano em virtude desse acordo. Este é o valor que a China passou a comprar a mais do Brasil depois das restrições impostas por Trump.

O Valor traz entrevistas com representantes de associações do agro brasileiro mostrando que a proposta de acordo é inexequível, pois os Estados Unidos não teriam como fornecer as quantidades estabelecidas. ”

As compras teriam que subir US$ 18 bilhões a mais por ano, para um total de US$ 40 bilhões. O que está proposto é inexequível, porque os EUA não têm produto agrícola suficiente para as metas propostas”, disse André Pessôa, sócio da Agroconsult.

O revés para o Brasil, fruto do acordo, veio no mesmo dia em que Trump fez um aceno a Jair Bolsonaro passando o Brasil na frente da Argentina endossando a pretensão brasileira de ingressar na OCDE.

 

Tudo o que sabemos sobre:

BrasilEUAChinaacordo