Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

O plano de Bolsonaro para baixar o preço da carne

Cassia Miranda

O governo deve enviar ao Congresso um projeto para regulamentar exploração comercial de gado, além da agricultura e exploração de minério em terras indígenas. Na visão do presidente Jair Bolsonaro, a solução para baixar o preço da carne é que seja autorizada criação de rebanhos em terra demarcada. “Temos de criar mais boi aqui para diminuir o preço da carne. Eles (indígenas) podem criar boi”, afirmou o presidente, na manhã desta quinta-feira, 18, dirigindo-se a indígenas que o acompanhavam em frente ao Palácio da Alvorada.

Gado bovino na região amazônia, no Acre Foto: Bruno Kelly/Reuters

Atualmente, no Brasil, há mais gado do que gente. De acordo com o IBGE, o País tem o maior rebanho comercial do mundo, com cerca de 213,5 milhões de animais. Mas o número já foi maior. Em 2017, eram 1,5 milhão de cabeças de boi a mais. A baixa de 0,7% foi causada justamente por conta de recordes na exportação de carne no ano passado.

Bolsonaro se referiu ao projeto como “lei áurea para o índio”. “Quero dar independência para eles. Se eles querem pegar a terra, arrendar para alguém plantar soja, milho, faça isso. Respeitando a legislação”, declarou o presidente. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), já indicou que esse tipo de proposta não vai prosperar na Casa. Segundo Bolsonaro, o projeto está pronto e o governo estuda o melhor momento para entregá-lo ao Congresso.

O raciocínio do presidente vai na direção contrária à realidade do País. Na Amazônia, por exemplo, a criação de gado é a maior responsável pelo desmatamento. Segundo dados da Embrapa e Inpe, em 2014 cerca de 65% da área desmatada da região era ocupada por pastos. E 80% da área sob uso agropecuário eram pastos.

Em 2017, havia cerca de 85 milhões de cabeças de gado bovino na região. O rebanho equivalia a 40% do rebanho total do Brasil. Outra característica dessa atividade na região é de que ela é de baixa produtividade – ou seja, usa uma grande área para pouco gado.