Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

O presidente não respeitou os fatos

Equipe BR Político

O diretor de Jornalismo do Grupo Estado,  João Caminoto, divulgou a seguinte nota em resposta aos ataques proferidos pelo presidente Jair Bolsonaro à jornalista Vera Magalhães, editora do BR Político e colunista do Estadão:

“Lamento que o presidente Jair Bolsonaro tenha voltado a atacar hoje a jornalista Vera Magalhães, colunista do Estadão e editora do site BR Político, durante entrevista coletiva marcada para anunciar medidas em relação à pandemia de covid-19.

Ele primeiramente chamou a jornalista de “inconsequente” por ter publicado, em 25 de fevereiro, uma reportagem mostrando que ele usara o WhatsApp para distribuir dois vídeos convocando manifestantes para atos que vinham sendo organizados para 15 de março, em defesa de seu governo.

Insistiu na tese que havia sustentado dois dias depois da reportagem, segundo a qual divulgara, na verdade, um vídeo de 2015. Os dois vídeos, que mostramos desde a primeira reportagem e depois, ao desmentir o presidente, têm imagens da facada que ele sofreu na campanha de 2018 e de sua posse, em janeiro de 2019.

Em outro momento, ele voltou a ofender a jornalista, chamando-a de “uma mentirosa, sem qualquer compromisso com a verdade”. “Ela divulgou que eu faria um movimento no dia 31 de março. Fake news. Lamento a jornalista Vera Magalhães estar divulgando fake news. Ela poderia ser convocada pela CPI das Fake News”, afirmou, durante a entrevista.

Infelizmente, o presidente não respeitou os fatos. A jornalista não publicou, nem no BR Político, nem em sua coluna, nem em suas contas nas redes sociais, que o presidente “faria um movimento” no dia 31 de março.

Reportagem assinada por ela no BR Político mostrou que números de WhatsApp localizados no exterior e perfis de simpatizantes do presidente estavam convocando para um ato em frente aos quartéis no dia 31. Publicou fac-símile dessas convocações e links para esses perfis.

Depois de uma entrevista em tom conciliatório feita por Bolsonaro na terça-feira, em que ele convocou uma reunião com chefes dos demais Poderes, Vera publicou, em sua conta no Twitter, que já que decidira arrefecer os ânimos Bolsonaro deveria “desmobilizar” os atos previstos para o dia 31, ou Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre não confiariam na propensão ao diálogo.

Bolsonaro respondeu, também pelo Twitter. “Vá procurar o que fazer, senhora!”, escreveu.

Continuamos dedicados à nossa missão de oferecer à sociedade brasileira conteúdo de qualidade e no combate das fake news, ainda mais num momento tão crítico como o atual.

João Caminoto, diretor de Jornalismo do Grupo Estado

Tudo o que sabemos sobre:

Jair Bolsonaromanifestação