Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

‘O que aconteceu que está todo mundo pronto para votar o veto?’

Gustavo Zucchi

Exclusivo para assinantes

O líder do PSB na Câmara, Alessandro Molon (RJ), ironizou o repentino “preparo” da Câmara dos Deputados para apreciar o veto sobre o congelamento de salários de servidores públicos. A sessão foi adiada da noite de quarta-feira para a tarde desta quinta-feira, 20, após o Senado surpreender e derrubar o veto que impede que trabalhadores das áreas de segurança, saúde e educação tenham os vencimentos congelados. “O que aconteceu que todo mundo está pronto agora e não estava ontem à noite?”, questionou Molon.

A oposição está em obstrução para tentar adiar a votação dos vetos presidenciais. Eles contestam os números apresentados pelo ministro Paulo Guedes de que, caso seja possível reajustar os salários, o impacto seria superior a R$ 130 bilhões. O ministro da Economia chamou a derrubada do veto de “crime contra o Brasil”. Lideranças do Centrão articularam de ontem para hoje para manter o congelamento de salários.