por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Oposição começa a acordar

Equipe BR Político

Ao menos três movimentos da oposição em busca de saídas contra a atual instabilidade política foram detectados nesta semana. Na segunda, 20, o advogado Pedro Serrano recebeu representantes de dez partidos, em sua residência em São Paulo, para o lançamento do movimento suprapartidário batizado de “Direitos Já, Fórum pela Democracia”, incluindo Aloizio Mercadante, Fernando Haddad e Eduardo Suplicy, todos do PT; José Gregori, José Aníbal e Daniel Anneberg, pelo PSDB; Guilherme Boulos; José Pena, presidente do PV; José Gustavo, da Rede; além de lideranças do PDT, Cidadania, PSOL e PCdoB e dirigentes da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), UNE e do movimento negro.

No mesmo dia, líderes do PT fizeram uma videoconferência na qual foram debatidas orientações de Lula, como descartar um “Fora, Bolsonaro” por resistência ao vice Hamilton Mourão e investir em uma “oposição propositiva”. Na quarta, 22, presidentes de cinco principais partidos de oposição realizaram mais um encontro, em Brasília, do chamado Fórum dos Partidos de Oposição para fortalecer uma rede em defesa da democracia. Também na quarta, já no âmbito dos Poderes, 14 senadores de vários partidos decidiram tocar uma agenda própria, à revelia do presidente Jair Bolsonaro, após reunião na residência oficial do senador Davi Alcolumbre. O tema “parlamentarismo” foi citado, mas não muito acolhido. Segundo os parlamentares presentes na agenda, puxada por Alcolumbre e o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), a ideia é de estimular pautas a favor da geração de emprego e crescimento para recuperar protagonismo em relação à Câmara.

Tudo o que sabemos sobre:

senadooposiçãoJair Bolsonaro