Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Oposição pede investigação de repasse a programa de Michelle

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

A oposição cobra explicações do presidente Jair Bolsonaro sobre a revelação da Folha de que o governo desviou a finalidade de R$ 7,5 milhões doados inicialmente para a compra de testes rápidos do coronavírus. O dinheiro, segundo a publicação, foi parar no programa Pátria Voluntária, conduzido pela primeira-dama Michelle. 

A verba foi doada pela Marfrig, um dos maiores frigoríficos de carne bovina do País. A empresa anunciou em março que doaria o valor ao Ministério da Saúde para a compra de 100 mil testes rápidos da covid-19. Na ocasião, uma das tônicas da pandemia do País era a escassez de testes e a dificuldade de medir os números reais de seu avanço em detrimento disso. Em maio, segundo a empresa, a Casa Civil informou que o dinheiro seria usado “com fim específico de aquisição e aplicação de testes de Covid-19”. Não foi o que aconteceu.

Depois de já transferido o dinheiro, o governo Bolsonaro consultou a Marfrig no dia 1o de junho sobre a possibilidade de utilizar para outras ações de combate aos efeitos socioeconômicos da pandemia. A empresa disse concordar, “como a ação estava diretamente ligada à mitigação dos danos causados pela pandemia”.

Segundo o jornal, os recursos foram parar no projeto Arrecadação Solidária, vinculado ao Pátria Voluntária, coordenado por Michelle. Dalí, o programa repassou o dinheiro do Arrecadação Solidária, sem edital de concorrência, a instituições missionárias evangélicas aliadas da ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, para a compra e distribuição de cestas básicas. Os R$ 7,5 milhões da Marfrig representam quase 70% da arrecadação do programa até agora, de R$ 10,9 milhões.

O deputado Marcelo Freixo (PSOL-RJ) informou na tarde desta quinta, 1, que a bancada do PSOL na Câmara irá acionar o Tribunal de Contas da União e o Ministério Público Federal para investigar o caso. A deputada Tabata Amaral (PDT-SP) também sugeriu uma investigação de Bolsonaro. “A testagem em massa e o rastreamento de casos poderiam ter salvado milhares de vidas”, disse no Twitter.

O líder da minoria no Senado, Randolfe Rodrigues (Rede-AP) também questionou: “Desviar R$ 7,5 MILHÕES do combate à pandemia, que seriam p/ SALVAR VIDAS e mandar p/ o programa de Michelle, a esposa do presidente, é mais do que imoralidade, é investimento direto na morte de milhares de pessoas! Como @jairbolsonaro explicará isso?”, escreveu.

E o líder do PSB na Câmara, Alessandro Molon (RJ), fez uma nova versão da pergunta sobre os depósitos de R$ 89 mil na conta de Michelle: “Presidente @jairbolsonaro, por que o senhor desviou a finalidade de R$7,5 MILHÕES doados para compra de testes de Covid-19 e repassou o dinheiro para o projeto de sua esposa Michelle no auge da pandemia?”

Tudo o que sabemos sobre:

covidgoverno