Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Pandemia gera redução da poluição no Rio Tietê, aponta estudo

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

A mudança de hábitos gerada pela pandemia do novo coronavírus contribuiu para a redução da poluição no rio Tietê, principalmente com a diminuição do lixo nas ruas e a fuligem de veículos. É o que aponta uma análise feita pelo SOS Mata Atlântica divulgada nesta terça-feira, 22.

Em 2020, a Fundação SOS Mata Atlântica não registrou trechos do Rio Tietê com qualidade de água péssima. Foto: Hélvio Romero/Estadão

O estudo mostra que a mancha de poluição somou 150 quilômetros de extensão e, pela primeira vez desde 2010, não foram registrados trechos com água de péssima qualidade. No entanto, a mudança de comportamento gerou aumento da pressão por uso da água pela população.

Os dados apontam que, dos 83 pontos de coleta – distribuídos em 47 rios de 38 municípios -, 6 (7,2%) mantiveram qualidade de água boa de forma perene, 55 (66,3%) regular, 21 (25,3%) ruim e 1 (1,2%) péssimo. Nenhum ponto registrou qualidade de água ótima. Os dados são do relatório Observando o Tietê 2020. As análises foram feitas entre setembro de 2019 e fevereiro de 2020.