Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Para Capobianco, desmatamento pode até piorar

Marcelo de Moraes

Para o biólogo João Paulo Capobianco, ex-secretário executivo e ex-secretário de Biodiversidade e Florestas do Ministério do Meio Ambiente, o aumento no desmatamento poderá se agravar ainda mais, se não forem tomadas providências pelo governo. A razão é que os dados do desmatamento na região ainda não levam em conta o período de agosto a outubro, quando os cortes também foram altos.

“Governo tem um desafio enorme pela frente. Só de agosto a outubro deste ano, o Deter já registra 3.706 km2 de terra arrasada que não aparecem nos dados anunciados ontem. Se não parar o desmatamento nos próximos 9 meses, teremos outro recorde tenebroso”, escreveu Capobianco na sua conta no Twitter.

“O aumento do desmatamento em 2018/19, confirmado ontem pelo Inpe, e as projeções de que já foram desmatados cerca de 4.800 km2 só nos meses de agosto a outubro desde ano (aplicando-se a variação de 29,9% sobre os dados do Deter), é possível afirmar que o governo perdeu o controle”, acrescentou.