Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Pazuello diz que ‘não cabem ao ministro’ medidas de distanciamento

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

O ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou nesta quinta-feira, 23, que não cabe ao governo federal executar ou se pronunciar sobre medidas de distanciamento social durante a pandemia à imprensa em Curitiba (PR). O ministro foi questionado sobre o alerta feito por um comitê da Saúde, revelado pelo Estadão de que, sem isolamento, os efeitos da pandemia devem durar até dois anos.

O ministro-interino da Saúde, Eduardo Pazuello

O ministro-interino da Saúde, Eduardo Pazuello Foto: Joédson Alves/EFE

Depois que Pazuello assumiu como interino da Pasta, o Ministério parou de recomendar o isolamento como medida de combate à pandemia. “Não cabe ao ministro executar essa ou aquela medida de distanciamento social. Ou me pronunciar sobre ação do gestor. O gestor é que por lei tem essa obrigação. Nessa linha, seria um pronunciamento praticamente político, e não é da minha linha”, afirmou. Em reunião no fim de maio do Centro de Operações de Emergência (COE) sobre a covid-19 do ministério, técnicos afirmaram que levaria de 1 a 2 anos para “controlarmos a situação”, sem medidas de distanciamento.

Entre as divergências do presidente Jair Bolsonaro que fizeram com que demitisse dois ministros da saúde está a adoção de quarentenas.

Pazuello também voltou a defender a medicação precoce contra o coronavírus, mas não citou a cloroquina, que tem sido propagandeada por Bolsonaro nos últimos dias. Na gestão do militar, a pedido de Bolsonaro, o tratamento com os medicamentos virou estratégia do governo federal e o Ministério passou a recomendar o uso precoce.