Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Pazuello: Ministério da Saúde gastou só 27,2% dos recursos para pandemia

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

O ministro interino da Saúde, general da ativa Eduardo Pazuello, afirmou que o governo federal gastou o equivalente a 27,2% (R$ 10,9 bilhões) do total de R$ 39,3 bilhões liberados para o combate ao novo coronavírus por meio de medidas provisórias. Nenhum centavo dos R$ 10 bilhões para Estados e municípios, por exemplo, foi liberado, disse ele em audiência pública remota nesta manhã de terça, 23, do Congresso, em relação à MP 969. Entretanto, ele classificou o saldo como “bom”. Desde março, a pandemia já matou 51.406 brasileiros e infectou mais de 1,1 milhão de pessoas em todas as unidades federativas, de acordo com o Consórcio de Veículos de Imprensa.

O ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello

O ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello Foto: Alan Santos/PR

“O percentual de saldo que temos considero que está bom. É bom que tenha algum saldo para que a gente possa manobrar. Tirando a MP 969/2020, que ainda está praticamente em elaboração, com o saldo das demais, estamos trabalhando na aquisição de EPIs (equipamentos de proteção individual) e na contratação de leitos. Isso é um processo lento e técnico. Não pode apenas pegar um oficio, carimbar e mandar”, disse.

Pazuello apontou as “principais razões” do atraso, como a dificuldade para aquisição de EPIs, ventiladores e outros equipamentos para terapia intensiva, além de questões burocráticas, já que, segundo ele, a liberação do dinheiro,em alguns casos, depende da elaboração de portarias e da adesão de municípios e, em outros casos, o dinheiro não foi pago porque se trata de uma provisão para pagamentos futuros.

As medidas provisórias preveem compra de EPIs, testes, monitores e ventiladores pulmonares; aluguel de leitos de UTI; produção de medicamentos; remuneração e contratação temporária de profissionais de saúde; e auxilio financeiro emergencial a santas casas e hospitais filantrópicos, informa a Agência Senado.